CANHOTICES

...em Torres Novas, Ribatejo, Portugal. Do lado esquerdo da vida.

19.11.08

UMA NOITE FRIA

Publicada por zemanel |

Não se deve usar a palavra fascismo por dá cá aquela palha - a banalização da expressão conduz ao branqueamento ( mesmo que involuntário) do regime torcionário derrubado na manhã do 25 de Abril de 1974 pelo Movimento dos Capitães e pelo povo nas ruas.
No entanto, vivemos hoje num clima altamente perigoso, onde os sinais de limitação de liberdades e garantias essenciais ( muito para lá das liberdades mínimas) são cada vez mais frequentes e têm origem no aparelho do Estado, dos grupos que dominam a economia e alastra perigosamente numa deriva sem precedentes, pelos partidos políticos situados no espectro político a partir do PS para toda a sua direita. Numa repetição óbvia aliás, do movimento político que travou o passo à construção de uma sociedade democrática e socialista em Portugal - conforme o preâmbulo da nossa Constituição ainda proclama.
Já não falamos de tiques nem de deslizes.
Os acontecimentos sucedem-se. Fazem lembrar uma velha imagem que me ocorreu agora: podemos durante 10 anos, todos os dias, olhar para o espelho e parece que mantemos sempre a mesma aparência - mas quando comparamos duas fotos nossas desse período, percebemos quantas coisas mudaram.
Sem que aparentemente as tenhamos sentido ou percepcionado.
Esta noite, dia 19 Novembro é uma data negra da nossa democracia.
Carvalho da Silva foi impedido de participar num plenário com trabalhadores dos CTT, nas instalações dos CTT em Cabo Ruivo. Entretanto, e enquanto os trabalhadores da empresa gritam na rua "Fascismo Nunca Mais", a Autoridade para as Condições de Trabalho foi chamada ao local para demover a administração desta atitude ilegal.
Provavelmente, o plenário realizar-se-á, face à presença da Inspecção do Trabalho.
Mas para lá da ilegalidade, o que sobra e sobra muito, é a intenção e o à vontade do poder económico, assumindo um papel de super- domínio nas relações de trabalho. Hoje foi nos CTT e com Carvalho da Silva. Mas estes episódios repetem-se todos os dias, em muitas empresas portuguesas. Onde o poder sindical é muitas vezes raro ou inexistente e os trabalhadores estão sujeitos às regras do quero, posso e mando.
Situação de domínio e livre arbítrio que se agrava com o Desemprego galopante e com a entrada em vigor do Código do Trabalho "Vieira da Silva", que desregula ainda mais as relações laborais.
Hoje dia 19 , nesta noite fria, os trabalhadores dos Correios gritaram Liberdade. Esse é o grito que devemos fazer ecoar. Dizer que isto que se passou hoje à noite, não foi pouco ou nada.Foi muito.
Repudiar, apontar, denunciar todas as violações à liberdade: Eis uma tarefa fundamental que devemos assumir.
A liberdade dos homens é mais que um belo ideal para filósofos e poetas: a liberdade dos seres humanos está condicionada á sua condição.
Exigimos ter a condição de Homens e Mulheres livres, num Portugal com futuro.
Mesmo que tenhamos que enfrentar muitas noites frias, como a noite deste 19 de Novembro de 2008, estaremos sempre prontos a gritar pela Liberdade e a dizer FASCISMO NUNCA MAIS!

3 canhotices:

Maria disse...

Não sabia! Não ouvi nas notícias!
E saio daqui muito arrepiada com a tua descrição e apreensiva com a situação!

Zulmiro Almeida disse...

Vergonha de país, vergonha de gente que se diz socialista, vergonha de administração, cujos adjectivos qualificativos não consigo descrever.Apenas dizer que tendo iniciado nos CTT em 1973, conheço o antes e o depois de 25 de Abril.Na verdade, estou a assistir a vergonhas que nunca assisti.É sem dúvida, um ajuste de contas/vingança ao 25 de Abril.
Por tudo isto, lá estarei no sábado em Lisboa para me juntar aos camaradas do activo, manifestando a minha revolta.
Mas meus amigos!Isto tem que mudar;temos que começar a partir...
Zulmiro Almeida (aposentado dos CTT)

samuel disse...

Grande post!

Abraço

Subscribe